top of page

O que é a Osteopatia? Por: Agora nós - RTP

A osteopatia O seu campo de tratamento é muito amplo pois abrange todo o corpo humano podendo tratar as doenças mais frequentes, nomeadamente ciáticas, lombalgias, cervicalgias, escolioses, hérnias discais e torcicolos, síndromes do túnel cárpico, tensões ou contraturas musculares.

Pode ajudar a resolver enxaquecas, problemas digestivos, insónias, problemas respiratórios ou outros. Não interessa ao osteopata apenas a eliminação do sintoma, ele procura sempre a causa do sintoma para poder eliminar o problema e curar o doente.


Em que consiste? É uma disciplina terapêutica que se interessa pelo organismo humano e os seus movimentos, procurando desbloquear as restrições de mobilidade que possam existir nos músculos, esqueleto, articulações, mas também dos órgãos internos e da parte sacrocraniana (do crânio ao osso sacro, no fim da coluna). Age no tratamento de várias doenças mas também na sua prevenção, sem recurso a medicamentos ou cirurgia. A osteopatia vê o organismo humano como um todo, onde tudo está relacionado e pode influenciar outros sistemas: por exemplo, o sistema articular, através do sistema neurológico pode influenciar a parte visceral, dos órgãos internos. Através de técnicas manuais, o osteopata procura reequilibrar o organismo.


A quem se destina? A quem sofrer de dores osteomusculares, com qualquer idade.

O que acontece numa consulta? “Na primeira consulta é feita a anamnese completa: o que a trouxe ali, os antecedentes e historial clínico. Se tiver exames complementares, tem de trazê-los também. O espaço entre consultas é de oito a dez dias para dar ao corpo a hipótese de se regenerar – esse é um dos princípios da osteopatia. A primeira consulta dura, geralmente, hora e meia”, explica a terapeuta.

Em função do tipo de osteopatia praticada, o paciente deita-se vestido ou com roupa interior. Para descobrir bloqueios na mobilidade, tensões e desequilíbrios no corpo do paciente, o osteopata utiliza as mãos, seguindo técnicas precisas de manipulação. Mas, ao contrário de um mito comum, não tem de fazer ‘estalar nada para ir ao lugar’. “As pessoas vêm com essa conceção dos quiropráticos – que não são osteopatas, existe uma grande confusão entre os dois”, observa a terapeuta. “Em osteopatia, o estalo da articulação não quer dizer que o osso tenha voltado ao sítio. O osso não vai e volta do sítio; são pequenos deslizamentos.”

Que problemas de saúde a osteopatia pode ajudar? Os problemas da coluna vertebral afetam mais de 80% da população portuguesa, sendo responsáveis por mais de 50 por cento das incapacidade física na população ativa e uma das principais causas do absentismo.


Escoliose É uma deformação da coluna em que existe uma curvatura lateral, podendo ou não ser acompanhada de rotação das vértebras. A escoliose estrutural é permanente e tem origem, normalmente, numa deformação vertebral. A escoliose funcional resulta de causas secundárias, tais como posturas incorretas ou desequilíbrio muscular na região lombar. A escoliose pode provocar vários problemas de ordem estrutural, causando dor nas costas, cabeça, dores articulares e musculares, fadiga, problemas respiratórios entre outros.

Estas alterações da curvatura geralmente são resolvidas com o tratamento osteopático. A abordagem osteopática procura ajustar/alinhar os segmentos vertebrais com recuso à manipulação para uma posição mais próxima do seu eixo normal. Os sintomas desagradáveis podem geralmente ser suprimidos e os desvios podem ser reduzidos, dependendo do caso. Um acompanhamento cuidadoso e regular é fundamental para se evitar danos maiores.